Rua Aporé, 19 - Bairro Amambai - CEP 79005-360 - Campo Grande-MS (67) 3325-6640
23.04.2018 • Economia

Comercialização de gado para abate em MS tem aumento de 13,9%

gado_em_pe

Campo Grande (MS) - O mercado sul-mato-grossense da carne volta a crescer, um ao depois da Operação Carne Fraca que gerou instabilidade no setor. A notícia é animadora para a Receita Estadual. Em 2017, o Governo precisou reduzir o ICMS de 12% para 7% sobre o boi em pé para estimular a comercialização do produto e reduzir a quantidade de gado represado no pasto.

 

Com produção de 216,6 mil toneladas de carne, ou 857 mil animais abatidos, dados do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sipoa), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), apontam um crescimento de 13,9% no número de animais abatidos no MS em comparação ao mesmo período do ano passado (795 mil animais).

Em volume de carne produzida, o incremento foi de 12,6%, de acordo a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul). O relatório da entidade aponta que o abate de fêmeas chegou a 427 mil cabeças, 12,7% a mais em comparação ao primeiro trimestre do ano passado (379 mil fêmeas) e correspondeu a 49,8% dos abates.

O crescimento da produção de carne acompanhou o reaquecimento das exportações. No primeiro semestre, Mato Grosso do Sul exportou 32,6 mil toneladas de carne bovina in natura para outros países, o que gerou um faturamento de US$ 138,1 milhões.

O resultado corresponde a um aumento de 13% no volume e de 14% na receita quando comparado com igual período do ano passado. No primeiro trimestre de 2017, o Estado havia exportado 28,8 mil toneladas e faturado US$ 121 milhões.

Os três principais destinos da carne sul-mato-grossense, neste primeiro trimestre, foram: Hong Kong (US$ 33,9 milhões), Chile (US$ 30,5 milhões) e Irã (US$ 13,3 milhões).

A recuperação influenciou ainda no preço da arroba. Até o dia 13 de abril, a arroba do boi gordo estava no valor médio de R$ 133,55, 3,5% a mais em comparação o mesmo período de 2017. O mesmo correu com o preço da vaca, que fechou a R$ 123,02, em média, a arroba, 3,8% a mais quando comparado ao ano passado.