Rua Aporé, 19 - Bairro Amambai - CEP 79005-360 - Campo Grande-MS (67) 3325-6640
07.02.2020 • Economia

Construção civil deve movimentar 3,26 bilhões no MS

640x480_d5b2b4a623aa6cb45fae7e59e8a71f01

Campo Grande (MS) – Apostando na retomada de novos empreendimentos, queda nas taxas de juros e reabertura de linhas de crédito habitacionais, o setor da construção civil de Mato Grosso do Sul tem meta de crescer 2% e movimentar cerca de R$ 3,26 bilhões neste ano. A projeção é do presidente do Sinduscon-MS (Sindicato Intermunicipal da Indústria da Construção de Mato Grosso do Sul), Amarildo Miranda Melo, que prevê um ano positivo para o segmento em todo o Brasil.

No ano passado o setor que conta com 19,5 mil trabalhadores em 1.938 estabelecimentos registrou Valor Bruto de Produção de R$ 3,2 bilhões.

“A nossa expectativa para este ano é de que o número de trabalhadores do segmento chegue a dezembro com 24.585 empregados com carteira assinada, representando a abertura de 5 mil novas vagas”, declarou.

O presidente do Sinduscon destaca que a construção civil está trazendo bons resultados desde o ano passado e a expectativa é de que este ano seja ainda melhor. “Não tenho dúvida que será um ano de elevação da empregabilidade. Já sentimos que o ânimo é muito grande no setor. No ano passado, tivemos um crescimento de 1,2% em relação a 2018, mas tenho visto em nossa base vários empresários lançando edifícios e obras”, afirmou.

Os empresários que atuam neste segmento se mostram otimistas e planejam crescer junto com o segmento. O avanço do PIB da construção neste ano será puxado, essencialmente, pela autoconstrução e reformas, que seguirão liderando a recuperação aliadas às atividades empresariais. “A previsão de alta da construção será composta por autoconstrução e reformas, serviços especializados para obras novas edificações”, assegurou o presidente do Sinduscon-MS.

A retomada de investimentos por parte do poder público também ajuda nas previsões mais otimistas. “O setor da construção civil precisa que o poder público ajude, investindo em saneamento, construção civil, edificação. Porque, infelizmente, o Brasil hoje ainda depende muito do setor público porque está começando a dar os primeiros passos para se tornar um país de economia aberta”, analisou.

No ano passado, o resultado positivo colocou fim a um ciclo de retração que perdurou entre 2014 a 2018, quando o PIB da construção encolheu 30%. “A percepção é de que a crise do segmento ficou para trás, mas, para que as perspectivas se consolide, o governo federal terá que dar condição jurídica e melhoria na concessão de crédito. A Reforma da Previdência sinalizou aos investidores que o País tem tomado as atitudes que precisam ser tomadas”, pontuou o líder empresarial.

Reformas – As esperanças do segmento recaem ainda na aprovação das reformas tributárias, tanto federal, quanto municipal e estadual, além das privatizações, que fazem com que haja aumento nos investimentos. “Também o anúncio recente do presidente da Caixa Econômica Federal nos reporta que a partir de abril teremos uma nova modalidade de financiamento, com juros zero e prestação fixa, o que deve impulsionar muito a indústria da construção civil”, comemorou.

O presidente da Associação dos Construtores de Mato Grosso do Sul (Acomasul) Adão Castilho destacou também que o o cenário para o setor da construção tem boas sinalizações neste ano. “As taxas de juros estão baixando na Caixa, o que é bom para os empresários que usam mais crédito para investimentos. Mesmo assim precisamos de políticas mais claras ao setor”, acrescentou.

 
What do you want to do ?
New mail