Rua Aporé, 19 - Bairro Amambai - CEP 79005-360 - Campo Grande-MS (67) 3325-6640
24.08.2020 • Economia

Consultoria prevê crescimento na economia de MS em 2021

consultoria

Campo Grande (MS) - Levantamento da Tendências Consultoria Integrada, empresa especializada em estimativas de riscos e oportunidades para negócios e investimentos, aponta que Mato Grosso do Sul será um dos cinco estados com crescimento na economia em 2021.O estudo aponta salto de 2,7% no PIB (Produto Interno Bruto) do Estado no próximo ano, em relação a 2019. O índice soma todas as riquezas geradas pela unidade.

Além de Mato Grosso do Sul, o levantamento indica que Pará, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Goiás também devem apresentar resultado positivo. Distrito Federal e mais 21 estados têm projeção de queda.

Segundo divulgou o governo do Estado, reportagem do jornal O Estado de S. Paulo explicou que a expectativa sobre o desempenho de Mato Grosso do Sul se deve, em parte, pela agroindústria, em especial a de papel e celulose, dada a estimativa de aumento na demanda asiática pelo segmento tissue.

De janeiro a julho deste ano, Mato Grosso do Sul exportou US$ 1,027 bilhão e 2,698 milhões de toneladas de celulose. Três Lagoas, na região leste do Estado, sedia as plantas da Suzano e da Eldorado, que elevam a cidade à condição de polo mundial do setor.

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) comentou o levantamento ao site oficial do Executivo. Segundo ele, “todo mundo teve prejuízos por causa da pandemia, da dona de casa aos governos, e quem respondeu melhor à pandemia foi o agronegócio, que em Mato Grosso do Sul tem um papel essencial. Mais uma vez, os produtores brasileiros mostraram que, da porteira para dentro, eles dão show”.

A fim de melhorar a logística para escoamento da produção, o governo de Mato Grosso do Sul assinou termo de cooperação com o paranaense para viabilizar a construção da Nova Ferroeste, que, com 1,3 mil quilômetros de trilhos, pretende conectar Maracaju ao Porto de Paranaguá, hoje segunda maior porta de saída da exportação estadual.

Outra alternativa é a Rota Bioceânica, que vai encurtar em duas semanas o tempo de viagem dos produtos comercializados com o exterior ao mercado asiático via portos chilenos no Pacífico. 

 

Fonte: CGNews.