Rua Aporé, 19 - Bairro Amambai - CEP 79005-360 - Campo Grande-MS (67) 3325-6640
15.10.2018 • Economia

Crédito rural contratado alcançou R$ 3,01 bilhões no MS

credito_rural

Campo Grande (MS) – Volume de crédito rural contratado pela agricultura empresarial nos três primeiros meses da atual safra, a 2018/19 (julho a setembro), alcançou R$ 3,01 bilhões, crescendo 27,9% em Mato Grosso do Sul, em relação ao mesmo período da temporada passada, a 2017/18 (R$ 2,35 bilhões). Os números, repassados pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), apontam que o avanço no valor de financiamentos ocorreu mesmo sendo registrado crescimento menor na quantidade de contratações no Estado. Nos últimos três meses, foi efetivado um total de 8.021 operações, número 4,4% superior ao do mesmo período do Plano Agrícola e Pecuário (PAP) passado, de 7.682 contratos. 

Com R$ 2,183 bilhões contratados, o custeio foi responsável por 72,49% do montante de crédito rural no período em Mato Grosso do Sul. Em relação à safra anterior, quando foram contratados R$ 941,8 milhões nesta modalidade, o avanço foi de 44,2%. Já o montante de financiamentos para investimentos somou R$ 824,8 milhões (ou 20,2% do total). Também nesta linha de crédito, cresceu 25,5% o valor contratado no comparativo com o PAP 2017/2018, quando as operações chegaram a R$ 656,8 milhões. 

Em trajetória inversa, os empréstimos para comercialização tiveram queda de 25,2% e passaram de R$ 280,3 milhões para R$ 209,6 milhões. Já o volume contratado para industrialização quase quintuplicou no período (363%) e avançou de R$ 2,2 milhões para R$ 10,6 milhões. Estas duas modalidades de financiamento correspondem, respectivamente, a 6,9% e 0,3% do total já contratado para a safra 2018/2019. 

Expectativa 

Segundo o presidente da Associação de Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul (Aprosoja/MS), Juliano Schmaedecke, a expectativa de uma safra recorde da soja e a moeda nacional desvalorizada colocam o agricultor em estado de ânimo até determinado ponto, uma vez que o apetite internacional pelas commodities brasileiras se intensificam, garantindo remuneração acima dos anos anteriores e empolgando o produtor rural a investir e produzir mais; por outro lado, avalia, “acendemos o sinal de alerta e esperamos o equilíbrio entre a venda dos grãos e os custos de produção, que ganharam força com a alta do dólar”. 

As chuvas têm garantido um plantio equilibrado e adiantado no Estado, o que permitiu ao produtor sul-mato-grossense ultrapassar 15% da área plantada, avançando 9% a mais no plantio da soja, em relação ao mesmo período do ano passado. “Podemos dizer que a chuva, nesse período inicial da safra, mantém o ânimo do agricultor, fazendo com que avance um pouco mais nas contratações de crédito nos próximos meses”, destaca. 

Ainda segundo o dirigente da Aprosoja/MS, as estratégias do produtor rural estão cada vez mais bem traçadas e equilibradas, e a gestão tem sido uma palavra de ordem importante, que o garante diante dos custeios. “Percebemos o aumento da procura por assistência técnica e consultorias, que aliadas à pesquisa, formam um cenário cada vez mais seguro, nessa indústria a céu aberto”, finaliza. 

Operações 

Quando consideradas as contratações, ainda de acordo com os dados da SPA, entre julho e setembro deste ano Mato Grosso do Sul contabilizou 8.021 operações de empréstimo, sendo 71,9% delas para custeio, 25,2% para investimentos e 2,8% para comercialização. O crédito para industrialização respondeu por 0,02% dos empréstimos efetivados. No comparativo com a safra passada, a quantidade de operações de custeio cresceu 13,6% (neste ano, são 5.769 operações, diante de 5.078 no plano anterior), enquanto os financiamentos para investimentos ficaram praticamente estáveis, em 2.023 operações, diante de 2.014 no PAP passado.

As contratações para industrialização dobraram, passando de uma, na safra passada, para duas de julho a setembro deste ano.  Já as contratações destinadas à comercialização apresentaram retração de 61,4% e caíram de 589 para 227 empréstimos.