Rua Aporé, 19 - Bairro Amambai - CEP 79005-360 - Campo Grande-MS (67) 3325-6640
07.06.2018 • Fenafisco

Presidenciáveis defendem reforma tributária para desenvolvimento do país

presidenciaveis

Campo Grande (MS) - Candidatos à Presidência da República de várias frentes participaram da primeira edição do Fórum Internacional Tributário, oportunidade em que apontaram o caráter regressivo do modelo vigente como falha estrutural, responsável pela concentração de renda no Brasil. 

Práticas como a isenção de tributos sobre grandes fortunas, lucros e dividendos e as incontestáveis distorções nas alíquotas de imposto de renda foram amplamente criticadas pela deputada estadual Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) e pelo pré-candidato Guilherme Boulos (PSOL-SP). 

Debate eleitoral 

Manuela defendeu a reformulação do sistema tributário pautado pela equidade e capacidade contributiva do cidadão, princípios que regem os pilares da proposta Reforma Tributária Solidária: Menos Desigualdade, Mais Brasil. “O sistema tributário brasileiro é injusto, agudiza as desigualdades sociais e se não enfrentarmos isso a partir de uma reforma tributária de caráter progressivo, não conseguiremos sair ou enfrentar a crise da economia. Garantir o combate às desigualdades deve ser o centro da agenda política da próxima, que pretendo ser eu, presidente do Brasil”, disse. 

Os caminhos apontados por Boulos para o desenvolvimento social e enfrentamento da grave crise econômica brasileira também versam sobre a reestruturação tributária do Estado. “Para além da simplificação de tributos, precisamos reformular o sistema, que é injusto e regressivo. Quem tem mais paga menos, quem tem menos paga mais”. 

O pré-candidato do PSOL citou dados demonstrativos da injustiça tributária no Brasil: “Entre os 10% mais ricos, a incidência média de impostos sobre a renda é de 20%, já entre os 10% mais pobres é de 53%. A razão desta distorção é uma hipertributação do consumo (51% da carga) e uma subtributação da renda, patrimônio e operações financeiras. Os mais pobres gastam toda sua renda em consumo para sobrevivência, enquanto os mais ricos poupam e aplicam”, afirmou. 

Menos impostos 

Com um discurso liberal, o economista e pré-candidato a Presidência da República, Paulo Rabello de Castro também criticou o sistema tributário Nacional e defendeu A REFORMA TRIBUTÁRIA COMO MÃE DE TODAS AS REFORMAS. “Temos que reestruturar o sistema tributário por completo e algumas regras fundamentais têm que ser preservadas. Os fatores de produção em um país são trabalho e capital. Não há razão nenhuma para que a remuneração do trabalhado (salário), tenha uma taxação diferente da tributação do capital. Isso porque o capital contribui da mesma forma que o trabalho. É errada a isenção atual de dividendos”, disse. 

Política fiscal 

O presidenciável José Maria Eymael, (DC-RS) enfatizou que caso seja eleito, seu projeto de governo vai priorizar, fundamentalmente, a reforma do sistema tributário e o combate à sonegação fiscal. “Necessitamos de um sistema mais justo, mais simples e que seja voltado para o desenvolvimento. Um aliado para enfrentar a sonegação é a simplificação tributária”.